Menu

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

O fim de relacionamento - Tantas Vidas e um Balcão.


Ele passou todo nervosinho em frente ao balcão “falava” gritando ao celular, vestia um blazer bege, camisa listrada, uma calça jeans escura e tênis, carregava uma mochila de lado, e uma mala que era brutalmente empurrada, conforme ele andava.
Parecia apenas mais um daqueles empresários atrasados que correm todos os dias pelo saguão perdendo o vôo ou o bom negócio do ano, mas ele fez pausa no caminhar, virou e virou de novo e em círculos estacionou a poucos passos de mim,  no tom que usava ao telefone não posso ser chamada de intrometida, ele estava anunciando no “jornal” o que estava acontecendo, e eu? – Eu só ouvi!
Palavras que pesavam ao ser ditas, como “planejei o ano todo!”; “Viajei de tão longe.”; “Pelo menos me conhecer como amigo!”; “Não quero ir na sua casa.”; “Vou ficar no hotel esperando o dia todo para te ver apenas duas horas.” E a discussão foi piorando, como não sei o que era dito do outro lado, entendi de tudo um pouco que ele gritou que “alguém” não queria encontrar com ele, em minha cabeça um filminho se formou – essa imaginação me enlouquece – um relacionamento de meses talvez anos, levado á distância planejado para o dia do encontro ser perfeito, quando “o dia” que parecia nunca estar próximo chega... Ela não quer mais, desiste do “cara-a-cara”, deixa o mocinho arrumadinho decepcionado, e enfurecido.
Depois de um breve viajar, percebi que ele descarregou meia dúzia de últimas palavras, fez-se um silêncio mortal, sentou cruzou as pernas e fez outra ligação, mais calmo pediu para alguém marcar uma passagem para as 14:00 da tarde seguinte, que iria direto para a rodoviária, e partir. Vi nele seus planos desabando naquela fala, acho que o encontro esperado não vai acontecer e ele deu mais algumas voltas passou de novo pelo balcão dessa vez senti estranhamente que estava sendo observada me encarou nitidamente. E se foi de táxi.
O que eu deveria dizer?
- Desculpe eu ouvi tudo o senhor estava gritando tão baixo!
Mas, eu estava tão triste pelo possível fim de relacionamento que presenciei, por telefone! Tão dolorido quanto o tempo longe deve ter sido estar tão perto e não realizar o que pareceu ter sonhado tanto!

Já para ela... a pessoa do outro lado da discussão, garanto que foi bom se manter longe, pelo que vi na falta de paciência do romântico furioso, na primeira briga pessoalmente talvez ela fosse sofrer tanto quanto a coitada da mala azul que rolou de um lado para outro foi chutada empurrada jogada contra a fileira de bancos e depois arrastada! Fiquei pensativa depois desse episodio depois de chegar até aqui, é como nadar e morrer na praia!    

2 comentários:

  1. oi Pri

    eu sempre acreditei que com o sentimentos das pessoas a gente não deve brincar. Doi demais.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  2. Devo dizer, é triste... imagino que situação delicada!

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião! Acredite ela é muito importante para mim!
Obrigada por ter passado aqui!



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...